sexta-feira, 5 de junho de 2020

(Des)igualdade

Nascemos desiguais, vivemos desiguais, morremos desiguais, desigualmente nos acolhem, do outro lado da lápide, anjos abnegados, crepúsculos indefinidos ou vermes competentes. «Mas uma Igualdade cósmica subjaz a esta ilusão do plural», defende o místico, segredando a si mesmo que «somos todos Um», enquanto fecha por dentro portas e janelas, a fim de garantir, nos encontros agendados com o divino, a maior privacidade e o melhor silêncio para os exercícios metódicos que o levarão a êxtases apenas seus.

Sem comentários:

Publicar um comentário